Tabagismo pode acarretar complicações em pacientes com COVID-19


Neste domingo (31), foi celebrado o Dia Mundial Sem Tabaco. A data foi criada para alertar sobre as doenças e mortes evitáveis relacionadas ao tabagismo e, neste ano, é oportunidade para discutir os riscos de complicações em pacientes fumantes com COVID-19.

De acordo com a enfermeira e membro do grupo Amaral Sem Cigarro do Hospital Amaral Carvalho (HAC), Fabene Etiane Silva Oliveira, o tabaco causa graves problemas respiratórios e circulatórios.  “O tabaco traz complicações no sistema respiratório e prejudica a oxigenação adequada. Assim, relacionados aos problemas respiratórios que a COVID-19 também traz, o tratamento se torna mais difícil.” Além disso, o fumo pode aumentar as chances de desenvolvimento de doenças vasculares e cardíacas.

O Instituto Nacional do Câncer (INCA) considera o tabagismo como doença crônica e o classificou como fator de risco para agravamento do quadro de pacientes que venham a ser infectados pelo Coronavírus. Segundo o órgão, os fumantes têm maior propensão a infecções virais, como é o caso da COVID-19, e bacterianas, pois o tabaco causa diferentes tipos de inflamação e prejudica os mecanismos de defesa do organismo.

A enfermeira ressalta ainda que fumar aumenta, indiretamente, as chances de contaminação. “O hábito de levar as mãos próximo a boca no ato de fumar também pode levar as pessoas se contaminarem com a COVID-19, por não haver higienização adequada das mesmas.” Outro ponto destacado é o uso de narguilé, muito comum entre os jovens. “O aparelho é dividido para vários usuários, usando a mesma piteira. A prática pode não só aumentar o contágio da COVID-19, como de outras doenças como hepatites e herpes”, diz.

Fabene acrescenta que o tratamento para o tabagismo é fundamental para prevenir, além dessas doenças, diversos tipos de cânceres, como o de pulmão.

Amaral Sem Cigarro

Desde 2014, o Hospital Amaral Carvalho conta com o grupo de orientação Amaral Sem Cigarro, voltado para pacientes que queiram parar de fumar.

O projeto é credenciado pelo Ministério da Saúde com o apoio da Secretaria de Saúde de São Paulo (SES) e já atendeu mais de 130 pacientes. Destes, 17% pararam de fumar. Nesta época de pandemia, o serviço está temporariamente suspenso. Quem quiser mais informações, pode ligar para o serviço de Assistência Social, pelo telefone (14) 3602-1343.