Neurocirurgião da Santa Casa realizou cirurgia de coluna vertebral com procedimento utilizado nos melhores hospitais do mundo


Atendimento humanizado, estrutura moderna e equipe altamente qualificada. A Santa Casa de Ourinhos está entre os 50 melhores do país, atende mais de 80% dos casos pelo SUS e realiza procedimentos de alta complexidade em pacientes de Ourinhos e região, sendo responsável, dependendo da especialidade, por uma população de mais de 1 milhão de habitantes.

Recentemente, a equipe liderada pelo médico neurocirurgião Dr. Gibran Rufca realizou um procedimento inédito – uma cirurgia em um paciente com problemas de degeneração na coluna utilizando as técnicas XLIF (Fusão Intervertebral extremo-lateral) e ALIF (Fusão Intervertebral Lombar Anterior Minimamente Invasiva).

“É um processo minimamente invasivo, em menos de 24 horas o paciente foi liberado. É a mesma tecnologia usada em grandes capitais, nos Estados Unidos e na Europa. É um tratamento de primeira linha que os pacientes da Santa Casa de Ourinhos têm a oportunidade de receber”, ressaltou Dr. Gibran.

O médico contou também que essa cirurgia foi acompanhada pelo neurocirurgião da UNESP de Botucatu, Dr. Flavio Ramalho Romeiro e pelo cirurgião vascular de Curitiba (PR), Dr. Cristiano.
Conheça mais as técnicas

Dr. Gibran explicou um pouco mais sobre a ALIF. “É um procedimento cirúrgico de acesso realizado através da frente do corpo, no caso da coluna lombar, pelo abdômen do paciente. Usando alta tecnologia de monitoramento de nervos, o cirurgião ganha acesso anterior (de frente) à coluna vertebral, evitando a agressão a músculos, ligamentos e nervos importantes na área entre a incisão e a coluna, não apresentando os mesmos riscos de lesão vascular e / ou neural que as abordagens tradicionais. O cirurgião faz uma pequena incisão no abdômen do paciente. De maneira delicada, os músculos e órgãos abdominais são afastados e protegidos. O disco doente ou danificado é removido para reduzir a pressão sobre a raiz nervosa. Um implante apropriado é colocado no espaço do disco para restaurar a altura adequada do disco e fornecer suporte mecânico, enquanto o osso cresce entre os corpos vertebrais durante o processo de fusão, que é a consolidação óssea”.

Já o procedimento XLIF, também é minimamente invasivo. “Fizemos uma pequena incisão na lateral do corpo, dilatores são usados para direcionar o caminho para o espaço discal afetado enquanto monitoramos os nervos locais. Uma vez determinado o caminho mais seguro, o afastador é utilizado para manter a incisão da pele aberta, proporcionando acesso e visibilidade à área afetada. O disco doente ou danificado é removido para reduzir a pressão sobre a raiz nervosa. Também é colocado um implante apropriado no espaço do disco para restaurar a altura adequada do disco e fornecer suporte mecânico, enquanto o osso cresce entre os corpos vertebrais durante o processo de fusão (consolidação óssea). Esse segmento da sua coluna irá se estabilizar quando a fusão ocorrer”.

Os benefícios das duas técnicas são menor incisão e perda de sangue durante a cirurgia, redução do tempo de operação, internação e recuperação no pós-operatório e aumento significativo da estabilidade da coluna para cura a longo prazo.