Jovens da Fundação CASA de Cerqueira César participam de palestra sobre Parto Humanizado


Ação faz parte de programação especial em alusão ao mês da mulher; objetivo é apresentar esse assunto às adolescentes

Com foco na divulgação do parto humanizado, oito adolescentes que cumprem medida socioeducativa nos dois centros femininos da Fundação CASA, ambos localizados em Cerqueira César, participarão, na próxima sexta-feira (22/03), da palestra “Violência contra a mulher: Por uma prática de Parto Humanizado”, que será realizada no auditório da Câmara Municipal de Iaras.

A palestra será ministrada pela professora-doutora em saúde coletiva, Rafela Schiavo, que também diretora e fundadora do Instituto MaterOnline e atua ministrando cursos sobre saúde mental materna.

O evento foi articulado pela Comissão de Direitos Humanos e Diversidade da Divisão Regional Sudoeste (DRS) da Fundação CASA, que é responsável pelos centros Cerqueira César e Anita Garibaldi. A ação também faz parte de uma programação especial em alusão ao mês da Mulher e ao dia Internacional da Mulher, celebrado em 08/03.

Também participarão do evento servidoras e servidores, que fazem parte da Comissão de Direitos Humanos e Diversidade, dentro dos centros da Fundação CASA de Iaras.

Como explica a supervisora técnica da regional, Maria Aline Ferraz Munhoz, o objetivo da palestra é permitir que as jovens tenham acesso a esse tipo de temática. “As jovens têm um pouco de dificuldade de entender o que é um parto humanizado e até mesmo não sabem identificar o que seria seu oposto, no caso, a violência obstétrica”, comentou.

Por isso, explica a supervisora, a palestra é fundamental. “Esse assunto é meio que um tabu, pois, as mulheres que passam por isso normalmente têm dificuldade enorme de falar sobre o trauma ou mesmo de denunciar, de reconhecer que foram vítimas de uma violência dessas”, acrescentou.

Maria Aline destaca ainda a importância da informação. “Queremos conscientizar para que elas passem esse conhecimento adiante e consigam ajudar amigas, tias, primas e até mesmo suas mães a buscarem o parto humanizado”, concluiu.