Ginecologista da Santa Casa faz alerta sobre os cuidados com a endometriose


Março é o Mês Mundial de Conscientização sobre a Endometriose, e a campanha Março Amarelo alerta para esta doença que afeta 176 milhões de mulheres em todo o mundo e 6,5 milhões no Brasil.

A ginecologista da Santa Casa de Ourinhos, Dra. Juliana Saad de Carvalho explicou sobre a endometriose e fez alerta sobre os cuidados que as mulheres devem ter. Um exame precoce preventivo pode ajudar no tratamento e até evitar que a doença avance para um caso mais grave. Confira a entrevista:

O que é endometriose?

Dra. Juliana Saad de Carvalho: É uma doença inflamatória crônica predominantemente pélvica que acomete as mulheres em idade fértil.

Quais os sintomas?

Normalmente o quadro clínico predominante é dor pélvica, principalmente na época menstrual, porém também fora do período , além de outros sinais e sintomas  em outros órgãos como dor ao urinar, obstipação intestinal, dor à evacuação, dor ao coito.

Como é feito o diagnóstico?

Geralmente pela história clínica e exame físico da paciente. Ouvir as queixas do paciente, é muito importante. Assim como o exame físico geral e ginecológico, com o toque vaginal e retal.

A endometriose profunda , um aspecto mais agressivo da doença, é observada desta forma. A ultrassonografia transvaginal pélvica e a ressonância nuclear magnética da pelve são exames que podem corroborar o exame clínico.

Quais as formas de tratamento?

Depende do grau da doença e das queixas das pacientes. As formas mais simples podem ser tratadas com remédios, as mais complexas com cirurgia.

É possível prevenir a endometriose?

Difícil, muitas vezes. Porém, com a percepção da possibilidade do quadro, pode-se tentar controle, com remédios que interrompam a menstruação, ou nutracêuticos que atuem como antiinflamatórios.

Orientar as parentes de mulheres com endometriose que o risco delas é 7 vezes maior de desenvolver a doença, portanto precisam estar em consulta ginecológica com regularidade.

Orientar que tenham hábitos saudáveis de vida, que visem reduzir o estresse oxidativo e processo inflamatório crônico, bases de toda a doença crônica inflamatória. 

Por exemplo, reduzir o estresse mental, manter  atividade física regular e  alimentação saudável, rica em nutrientes antiinflamatórios, como ômega 3 e 9, e outros. Manter níveis adequados de vitamina d, que é substância imunomoduladora, tomando sol alguns períodos da semana, ou suplementação .

A mulher com endometriose pode engravidar?

É possível, mas pode ser muito difícil. A doença causa infertilidade muitas vezes,  a depender do sitio da patologia e a extensão das lesões...

No entanto, após tratamentos, a paciente pode ter sua expectativa fértil aumentada, e não é incomum, conseguirem. Principalmente nas endometrioses mais simples, ou menos invasoras.

Gostaria de fazer alguma consideração sobre o tema?

Todas as mulheres que já ouviram a respeito desta patologia, dentro de suas famílias, prestem atenção, procurem o ginecologista para conversar e esclarecer pontos; lembrar que a doença tem incidência em torno de 15 % - de 100 mulheres , 15 terão . É consideravelmente frequente.

Todas as mulheres e adolescentes com infertilidade e ciclos regulares ou não, dor pélvica crônica, dor menstrual intensa, dor no ato sexual, dor vaginal, dor ao evacuar , obstipação intestinal, sintomas de cistite ou dor urinaria, sangramentos uterinos irregulares, dores torácicas ou abdominais altas no período menstrual, distensão do abdome, com cistos ovarianos que não somem espontaneamente, com diagnóstico prévio de miomas e pólipos uterinos, atenção! Vocês podem estar diante desta doença.