Esportes e prevenção do câncer de próstata


O câncer de próstata é o segundo mais comum em homens, com quase um milhão de novos casos diagnosticados todos os anos no mundo. É um câncer curável, que pode variar de tumores de crescimento lento (mais comuns) aos agressivos, que progridem rapidamente. Por isso, o diagnóstico precoce da doença é crucial. O câncer de próstata encontrou uma incidência seis vezes maior nos países ocidentais do que nos países não-ocidentais, onde os fatores relacionados ao estilo de vida, dieta, genética e meio ambiente são considerados um papel fundamental.

Os pesquisadores descobriram que a baixa ingestão de carboidratos refinados e o aumento do consumo de ômega-3, proteína de soja, chás verdes, café, romã, resveratrol (presente em framboesas, mirtilos, uvas e vinho) e tomates podem reduzir o risco de câncer de próstata. Este padrão alimentar saudável inclui um alto consumo de frutas e vegetais e uma ingestão reduzida de carboidratos refinados (que podem ser substituídos por grãos integrais), carnes vermelhas cozidas demais, além de gorduras totais e saturadas.

De acordo com o Instituto Nacional do Câncer (INCA), vários estudos também mostraram que o exercício é efetivo para diminuir o risco de câncer de próstata, apressar a recuperação do câncer já diagnosticado e diminuir as chances de recorrência. Um estudo descobriu que o exercício rigoroso, como participar de um esporte competitivo, parece dificultar a progressão do câncer de próstata em homens com mais de 65 anos.

Ana Paula Simões é Professora Instrutora da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e Mestre em Medicina, Ortopedia e Traumatologia e Especialista em Medicina e Cirurgia do Pé e Tornozelo na Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. É Membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia; da Associação Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé, da Sociedade Brasileira de Artroscopia e Traumatologia do Esporte; e da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte.