Concha Acústica "Sérgio Nunes" é o novo palco da cultura ourinhense

Obra foi inaugurada nesta sexta-feira, 2 de dezembro

Aconteceu nesta sexta-feira, 2 de dezembro, na praça "Miguel Mofarrej" (praça do Caló), a inauguração da Concha Acústica "Sérgio Nunes". Participaram da solenidade a Prefeita Belkis Fernandes, secretários municipais, familiares e amigos do homenageado.

A concha acústica é um espaço apropriado para a realização de diversas atividades culturais. "A entrega desta obra com certeza abrilhantará ainda mais a nossa cultura. A produção cultural, seja na parte de fomento ou de formação, precisa de espaços no município para dar vazão ao que é produzido nas nossas escolas de música, bailado e teatro, e também agora com o projeto Vila de Cultura, implantado pela prefeita Belkis nos quatro extremos periféricos da cidade. Os artistas certamente se beneficiarão desta concha acústica. Nosso homenageado, Sérgio Nunes, certamente iria adorar", destacou o secretário de cultura Fernando Cavezale.


A construção, iniciada no governo Toshio Misato em 2011, teve falhas estruturais e precisou ser refeita. "Todos sabem que houve problemas com esta obra. Infelizmente a burocracia nos impediu de sermos mais rápidos. Nós sofremos muito com esta obra, porque ela demorou demais para ficar pronta. Mas hoje temos uma paz no coração, pois fizemos a nossa parte. Aqui cabe uma orquestra, uma ópera, um teatro de rua, hip hop, circo. Esta é uma obra popular, assim como Sérgio Nunes queria que a arte sempre fosse", enfatizou o secretário de desenvolvimento urbano Gustavo Gomes.

"Foram quatro anos de lutas e desafios, mas hoje falamos de mais uma conquista: a Concha Acústica. Sérgio Nunes foi embora, mas deixou a alma aqui. Não levou nada consigo, tudo que ele sabia deixou aqui. Ele foi um homem de alma transparente e isto é um orgulho para a sua família", lembrou a prefeita Belkis Fernandes.

Após o descerramento da placa comemorativa houve a declamação do poema "Ainda uma vez - Adeus" de Gonçalves Dias com Sérgio Ruy, atualmente aluno do Curso Municipal de Teatro, mas que também fez Teatro com Sérgio Nunes nos anos 70 em diversas peças. Em seguida a aconteceu a apresentação da esquete circense "A Corda", montada pela professora Karina Zimmermann com os alunos do Curso Municipal de Teatro. Esta esquete clássica foi montada por Sérgio Nunes nos anos 90. E ao final, os convidados assistiram a apresentação da fanfarra da escola municipal José Alves Martins.

Sérgio Nunes

Natural de Ourinhos, Sérgio Nunes é um grande nome das artes, de um modo geral, em nossa cidade, já que sempre esteve envolvido em diversos projetos culturais da cidade. Ele, que nasceu em 10 de outubro de 1948, foi seminarista, e entre os anos de 1970 e 1976, começou os cursos de letras e filosofia na Unesp de Assis. Foi nessa época em que ele participou do Grupo Experimental da FAFIA e do Teatro Amador da Vila Operária (TAVO) de Assis.

No ano seguinte, entrou para o curso de Artes Dramáticas na USP, mas não o concluiu. Além de trabalhar na área da cultura em Assis, em Ourinhos Sérgio Nunes também sempre foi um agitador cultural, tendo sido o mentor dos carnavais de rua, da escola de música e de bailado, e de outros inúmeros projetos que fizeram ou ainda fazem parte do cotidiano cultural de nossa cidade. Foi Sergio quem criou, em 1993, o grupo Soarte, que formou a maioria dos artistas de Teatro de Ourinhos e que recebeu dezenas de prêmios importantes.

Com vários problemas de saúde, Sérgio Nunes que tinha anemia profunda provocada por um câncer no rim e hepatite, morreu em 2 de agosto de 2008.