Cuidados para combater o mosquito Aedes Aegypti não devem ser interrompidos

Agentes de endemias da Secretaria Municipal de Saúde realizam diariamente o trabalho de vistoria nas residências

Além de vistoriar as residências, terrenos também precisam ser capinados com frequência
Apesar de as chuvas terem dado uma trégua, as ações de combate ao mosquito Aedes Aegypti não devem cessar. A Prefeitura de Ourinhos, por meio da Secretaria Municipal de Saúde tem feito a parte dela e intensificado o trabalho de vistoria casa a casa.


O departamento de Vigilância Epidemiológica não tem medido esforços no que diz respeito a eliminação de criadouros do mosquito, conforme explica o chefe do Núcleo de Controle de Vetores, Valdir Graciano. “Diariamente nossa equipe tem visitado os bairros e adentrado nas residências para vistoriar e destruir os criadouros do Aedes. Para ter uma ideia, a cada 300 imóveis visitados nós encontramos pelo menos 20 criadouros. O número pode não parecer exorbitante, mas já é o suficiente para o mosquito se proliferar e contaminar as pessoas”.


Como ninguém quer ser picado e contrair a dengue, a febre chikungunya e o zika vírus, é melhor ficar de olho nas residências, vistoriar os vasos de plantas, todos os utensílios que possam servir de acúmulo de água, calhas e caixa d’água.


 Ao contrário do que muitos pensam, pesquisas realizadas pela Superintendência de Controle de Endemias de São Paulo tem mostrado que o mosquito Aedes não se reproduz apenas em água limpa, o que faz aumentar ainda mais a responsabilidade de proprietários em manter em dia a limpeza de seus terrenos.


“A limpeza dos terrenos também colabora com as ações de combate a proliferação do mosquito. Durante as visitas nós também encontramos terrenos particulares com muito mato e até mesmo entulhos. Se nestes locais existir algum sofá, vasilhames ou uma tampa de garrafa já é o suficiente para servir de criadouro do Aedes. Além de fiscalizar, o nosso papel também é de notificar os proprietários que não mantém em dia as suas propriedades”, disse Valdir.
 

Com ações de mobilização realizadas pela Prefeitura no final de 2015 e no início de 2016 foi possível reduzir drasticamente o número de casos de dengue em relação ao ano passado. Dados divulgados pela Divisão de Vigilância Epidemiológica apontam que no período de 03 de janeiro a 04 de abril deste ano, foram contabilizados 48 casos de dengue, sendo todos autóctones.
Com a união de esforços do poder público municipal e da população é possível vencer essa batalha e deixar o mosquito Aedes Aegypti bem longe da cidade.

Vistoria nas residências é realizada também aos finais de semana

Os agentes de endemias da Secretaria Municipal de Saúde realizam diariamente o trabalho de vistoria nas residências, inclusive aos finais de semana.
 

No último sábado, 02, por exemplo, a equipe concentrou os trabalhos nos seguintes bairros: Jd. Josefina, Jd. Columbia, Jd. Beatriz, Vl. Brasil e CDHU. Ao todo foram trabalhadas 1.029 casas, sendo que 364 delas estavam fechadas e em 155 foram encontrados focos.
 

Na segunda e terça-feira, 04 e 05, as vistorias estiveram concentradas no Jd. Flamboyant e Vl. Califórnia. Nesta quarta-feira, 06, os trabalhos foram realizados no Jd. Anchieta e CDHU.
 

Nestes locais onde as residências permanecem fechadas, é importante que os proprietários redobrem a sua atenção e não deixem de verificar possíveis locais que sirvam de criadouro para o Aedes Aegypti.