Diretores da AMO-SIM lamentam imposições do Ministério do Trabalho durante formatura

Familiares dos guardinhas prestigiaram a formatura

Nesta quarta-feira (02) oitenta e nove adolescentes ourinhenses deram um passo importante para a construção de suas histórias de vida. Eles se formaram Guardinhas Mirins. Pais, amigos e familiares compareceram a sede da AMO-SIM (Associação Mirim de Ourinhos e Serviço de Integração de Meninas) para prestigiarem a solenidade de formatura dos jovens.

O cerimonial foi composto por diretores e colaboradores da entidade, entre eles o Sr. Benjamin de Oliveira (fundador), Henrique Pereira dos Santos (gerente administrativo), Adilson André de Arruda (psicólogo) Norma Aparecida V. da Silva (assistente social) e o presidente da entidade, Valdinei Sanches Marques.

"É com indescritível prazer que mais uma vez Associação Mirim de Ourinhos e Serviço de Integração de Meninas se reúne em sua sede para prestar contas a sociedade sobre suas atividades, e principalmente para festejar junto com os formandos, seus padrinhos e familiares, uma das suas primeiras conquistas em busca da independência financeira e do auto sustento por intermédio do trabalho, o que muito dignifica e honra a todos os indivíduos, tornando-os produtivos e colaboradores para o desenvolvimento cada vez mais pujante da nossa querida Ourinhos", discursou o presidente Valdinei Sanches.
Valdinei Sanches Marques
Sr. Benjamin de Oliveira
Henrique Pereira dos Santos

Durante entrevista exclusiva a reportagem da Agência Massiva, Sanches também destacou que as exigências do Ministério do Trabalho não são fáceis de serem cumpridas, fato influenciou diretamente na redução de formandos em 2015. "Quando nós tínhamos os cursos válidos no Ministério do Trabalho, normalmente tínhamos três formaturas por ano e em média 170 guardinhas por formatura. Nós estamos nos adequando as imposições do Ministério do Trabalho, mas ao contrário do CIEE (Centro de Integração Empresa-Escola) por exemplo, nós não recebemos verba do governo federal. Nós trabalhamos com a mão de obra e com o dinheiro que nós temos que é da Zona Azul. Por força disso a nossa turma deste ano se reduziu a apenas uma".

O gerente administrativo da associação, Henrique Ferreira dos Santos, complementou a fala do presidente observando que a rigidez da fiscalização trabalhista tem dificultado as ações da entidade. "Apesar de todas as dificuldades que a Associação Mirim vem encontrando nós ainda conseguimos forças para mais uma formatura. Estamos passando por um momento difícil onde existe uma fiscalização diretamente direcionada para nós aqui e para as outras entidades que tem como objetivo inserir no mercado de trabalho essas crianças vindas de famílias de poder aquisitivo menor. Esta fiscalização é muito rígida e isto faz praticamente com que você perda a vontade de lidar com o adolescente. Mas nós não vamos desistir, continuaremos lutando. Hoje é um dia de glória para nós, pois estamos conseguindo formar aí mais oitenta e nove adolescentes que em um futuro bem próximo estarão trabalhando, ajudando suas famílias e se sentido úteis com sua valorização no mercado de trabalho".

Fundada em 1971, mas atuante desde 1969, há 46 anos a AMO-SIM integra jovens com idade entre 15 e 18 anos ao mercado de trabalho, proporcionando aprendizado prático profissionalizante como forma de crescimento pessoal e social.

Além dos diretores, nenhuma autoridade ou político local prestigiou a solenidade.

Agência Massiva