Anchieta é tomada por bicicletas em passeio ciclístico rumo ao litoral de SP

Share:

Um ano após confusão com participantes, descida da serra teve aval do estado

​Um ano após um passeio ciclístico rumo ao litoral paulista que acabou em confronto com a polícia, milhares de ciclistas tomaram a rodovia Anchieta neste domingo (2) com destino a Santos e conseguiram concluir a descida da serra, desta vez com autorização do próprio estado e protegidos pela PM.

Os primeiros grupos iniciaram o passeio logo ao nascer do sol, por volta das 6h, e outros foram chegando até as 8h30 – horário limite imposto pelos organizadores do passeio ciclístico.

Para concluir o percurso de 55 km, os ciclistas demoraram, em média, quatro horas. “Foi um sucesso”, disse Aparecido Inácio Ferrari de Medeiros, um dos organizadores. “Estamos apagando da memória aquele episódio lamentável e vendo nascer o maior evento ciclístico do país”, disse ele.

Medeiros afirmou que a organização estima cerca de 40 mil participantes – para a PM, foram 30 mil. Os únicos incidentes, segundo ele, foram 12 ciclistas que tiveram pequenas quedas pelo caminho, mas todos com ferimentos sem gravidade.

No ano passado, uma ordem judicial proibiu o passeio organizado via redes sociais, e a PM montou bloqueio na via para impedir a descida.

Após tentativa frustradas de negociação, já que ciclistas tentaram furar o bloqueio e atirar objetos contra os policiais, a tropa dispersou o grupo com bombas de efeito moral, gás lacrimogêneo e jatos d’água.

O ponto de partida do passeio foi o km 10 da Anchieta, em São Paulo, que teve um arranjo especial para o restante do tráfego, com separação de pistas. Ali se reuniram ciclistas de pontos distantes da capital e do estado, alguns paramentados como atletas, outros de formas simples e até fantasiados de personagens de cinema.

O taxista Vagner Gercov, 53, escolheu, por exemplo, descer de bicicleta a Santos como pirata Jack Sparrow. De posse de sua garrucha na mão, ele dizia garantir que chegaria ao litoral apesar do peso extra da fantasia.

“Nem que seja no Natal, mas eu chego”, brincou.

Quando o passeio teve início, às 6h, muitos dos participantes já haviam pedalado bastante. Caso do motorista Anderson Sampaio, 42, no Instagram Gordão Pedala, de Interlagos, na zona sul de SP. “Estava muito ansioso e passei a noite esperando. Acabou que acordei só às 3h50, com o pessoal me ligando”, disse.

Esses ciclistas saíram do ponto de encontro às 4h30, na avenida Atlântica, e às 6h já estavam na entrada da Anchieta para fazer a travessia.

O entregador Rodrigo Ferreira, 19, foi acompanhado de vários grupos de pedal. “Somos mais de 200 ciclistas do Grajaú. Saímos de casa no meio da madrugada para participar”, disse.

Outros chegaram ao local de ônibus, alugado para o evento, após cruzarem o estado.

Um grupo de ciclistas de São José do Rio Preto, Catanduva, Mirassol e Itajobi começou a se organizar há dois meses para fazer a descida para Santos.

 “Saímos de Rio Preto às 16h30 de ontem (sábado). Fomos os primeiros a chegar na entrada da Anchieta. Trouxemos até mecânico para cuidar das bikes”, disse o publicitário Fabrizzio Riente, 42. “Foi muito bom. A única coisa feia foram alguns acidentes na serra”, afirmou.

O clima foi de festa durante o trajeto. Tipos físicos, bicicletas e sotaques os mais variados, em meio a um mar de bicicletas rumo a Santos.

Para retornar à capital paulista, parte dos ciclistas usou veículos próprios ou as linhas de ônibus convencionais. Não era permitido voltar pedalando.

Plano Cicloviário do Estado ​

Em Santos, o governador de São Paulo Márcio França (PSB) assinou decreto que regulamenta a Lei 10.095, de 26 de novembro de 1998, sobre o Plano Cicloviário do Estado de São Paulo neste domingo (2).

O decreto regulariza a implementação de infraestrutura viária para o trânsito de veículos de propulsão humana nas estradas estaduais.

Segundo o Governo do Estado de São Paulo, o plano define as características técnicas da infraestrutura necessária e os parâmetros de segurança viária.

A orientação do plano é que se dê preferência à construção de ciclovias e que ciclofaixas sejam adotadas apenas em casos de indicação técnicas ou ausência de recursos financeiros para construir uma ciclovia.

Fonte: Folha de São Paulo
Colaborou AGORA