Só promessas e ''mandrakismo'' para a Praça de Pedágio de Marques dos Reis em Jacarezinho-PR


"Carteirinhas" podem ser cassadas a qualquer momento, como já estão

Por mais que se comente serem inverdades, essas inverdades continuam a saturar a mídia e consequentemente, continua a enganação à população incauta, eis que os mais esclarecidos já conseguem distinguir o que é certo e o que é errado veiculado na imprensa, não sendo poucos os comentários até mesmo exaltados contra o que está acontecendo com o suposto VALE PEDÁGIO concedido pelo deputado federal que, na realidade, não é nada mais que um paliativo de convencimento daquilo que afirmou fazer e não fez, não participou do processo e é certo que nada obteve de seu mérito a população ourinhense e da região que sofre há anos com a cobrança ilegal do pedágio existente na vizinha cidade de Jacarezinho e que onera os cidadãos além de prejudicar enormemente o comércio local.

Existe uma ação coletiva para a retirada da praça de pedágio ilegalmente instalada em Marques dos Reis, Jacarezinho, mas que o deputado não participou e não participa, apenas obtém informações e as repassa de forma desencontrada e enganosa aos cidadãos que utilizam a pista para se locomoverem e pagam a tarifa absurda de pedágio.

O que se refere o ilustre edil é que entrou com um pedido paliativo para exonerar-se do pagamento do pedágio e o Juiz Federal concedeu a ele enquanto a praça não é retirada do local, sendo certo que seu assessor e alguns amigos ou dependentes também o acompanharam e conseguiram.

No entanto, esse direito de requerer ao Poder Público sempre existiu, constante do artigo 5º da Constituição Federal e também outros cidadãos já haviam defendido seus direitos dessa forma, requerendo na Justiça Federal um documento que os permitissem passar pela praça sem realizar o pagamento.

Ou seja, qualquer cidadão sempre pôde se utilizar desse expediente e os que o exigiram em Juízo conseguiram sem qualquer ajuda política e, enquanto a lei permitiu, estiveram com suas “carteirinhas” passando pela Praça de Marques dos Reis sem o pagamento do pedágio enquanto outros cidadãos preferiram passar por sua livre e espontânea vontade, sem pagar o pedágio, como diz, “furando” o pedágio e, para todos os efeitos, ninguém teve problemas até então quanto a isso, podendo dizer que com ou sem “carteirinha” o cidadão sempre passou sem pagar e nada aconteceu. Paga quem quer.

A empresa concessionária do Pedágio, Triunfo/Econorte, vem se sustentando no local, cobrando pelo que todos sabemos ser ilegal, mas com o consentimento da Justiça, sendo certo que essa mesma Justiça CASSOU a liminar que permitia a concessão dessas “carteirinhas” que diga-se, são provisórias, daí, contando essa listagem de usuários que requereram e conseguiram as ditas “carteirinhas” judicialmente, de trás para a frente, temos que esses documentos estão sendo revogados pela própria Justiça Federal, repisando, de trás para a frente dos pedidos realizados.

Então, é questão de tempo para que também as tão noticiadas “carteirinhas”, que estão servindo de objeto político na tentativa desesperada de alçar vôo e conseguir votos já para as eleições de 2018, também sejam revogadas. Como diz o ditado: Alegria de pobre dura pouco. Sendo, portanto, questão de tempo para que sejam revogadas e o pedágio continue ilegalmente sendo cobrado, desde que não há como regularizar a questão sem a saída da Praça do local, e isso só Deus sabe quando acontecerá.

Portanto, todo esse “mandrakismo” não passa de um paliativo de resposta aos que garantem que nada foi feito até então por deputado algum para a população ourinhense, não existindo prova concreta e definitiva da retirada da cobrança da tarifa absurda do pedágio utilizado politicamente na cata de votos para 2018, eis que até o momento “nada” de palpável, senão promessas, surgiram e são divulgadas constantemente nas redes sociais, até mesmo deixando os crédulos em péssimas condições ao aguardarem e não receberem nada das promessas até então enfatizadas, haja vista o cheque de R$ 5.000.000,00 entregue a prefeita de Ourinhos e vários outros, um verdadeiro cheque sem fundos que até hoje não foi resgatado, assim como as demais promessas. Só promessas e “mandrakismo”, chafurdando ainda mais a classe política já tão desacreditada...


Fonte: Jornal Tablóie

Próxima
« Prev Post
Anterior
Next Post »