Nebulização para eliminação dos mosquitos Aedes Aegypti começará nesta quinta-feira, 04

foto ilustrativa
A Prefeitura de Ourinhos tem trabalho diariamente para combater a proliferação do Mosquito Aedes Aegypti, transmissor da dengue, zika vírus e febre chikungunya. Ainda em janeiro, iniciou-se a Mega Operação Todos Contra o Mosquito Aedes Aegypti, outras ações também serão tomadas neste mês de fevereiro.

A Secretaria Municipal de Saúde, por meio da Vigilância Epidemiológica e Agentes de Controle de Endemias de Seção de Núcleo de Controle de Vetores, com a participação dos Agentes Comunitários de Saúde da Atenção Básica iniciaram recentemente a atividade de bloqueio de controle de criadouros do mosquito Aedes Aegypti, cujas doenças por ele transmitidas podem levar à morte.


Nesta ação estão sendo retirados os recipientes com larvas e outros materiais/objetos que possam servir de criadouro do mosquito Aedes. O trabalho iniciou no final do mês de janeiro. Inicialmente a ação de nebulização estará concentrada no Jd. Itamaraty, Cond. Moradas Ourinhos, Pq. Pacheco Chaves, Jd. Nossa Senhora Aparecida e Jardim Paris.

Na sequência os agentes seguirão para a Vl. Musa, COHAB e adjacências. São locais com maior densidade larvária e onde recentemente foram notificados casos suspeitos da doença.

Nebulização
   
Nesta quinta-feira, 04, a equipe da SUCEN-SP (Superintendência de Controle de Endemias) iniciará nos locais já trabalhados pelos agentes de Ourinhos, nebulização com equipamentos pesados (popularmente chamado de “fumacê”), para eliminação dos mosquitos Aedes Aegypti adultos.

Nos dias 04, 11, 18, 25 de fevereiro e 03 de março a nebulização acontecerá no Pq. Pacheco Chaves, Jd. Nossa Senhora Aparecida, Cond. Moradas Ourinhos, Jd. Itamaraty, Jd. Paris, Jd. Nossa Senhora de Fátima, Vl. Musa e Vl. São João.

Já nos dias 05, 12, 19 e 26 de fevereiro e 04 de março os bairros que receberão a nebulização são: Vl. Santa Maria, Conj. Hab. Padre Eduardo Murante (COHAB), Vl. São Francisco, Vl. Odilon, Vl. São José I e II, Jd. Santa Maria, Jd. Matilde, Jd. Imperial, Jd. Oriental, Res. Parque das Flores, Res. Matioli, Vila Vilar, Jd. Nazaré.

A SUCEN trabalhará com duas caminhonetes para pulverizar o inseticida. Os serviços de nebulização serão realizados no período noturno, depois das 19h, conforme protocolo técnico, pois este é o horário em que ocorre a inversão térmica e a temperatura mais amena permite um tempo maior de ação do produto.

Importante destacar que a aplicação não será realizada em casos de chuvas ou ventos forte, pois impede a propagação da névoa. A nebulização de inseticida com equipamento pesado utiliza uma técnica chamada ultrabaixo volume, que possuem mais poder de abrangência para eliminar os mosquitos adultos que estiverem no local no período da aplicação. Essa técnica usa uma quantidade pequena do inseticida, que é muito segura para os seres humanos.

A Vigilância Epidemiológica orienta que os munícipes  abram as portas e janelas das casas para permitir que o inseticida entre nas residências e elimine os mosquitos que ali estiverem. Recomenda-se também que bebês, acamados e pessoas com alergias - principalmente respiratórias, permaneçam em um cômodo com portas e janelas fechadas durante a nebulização até 30 minutos depois, que é o pico de ação do produto.

Portanto serão executadas nas áreas planejadas duas ações/ atividades de controle vetorial: Bloqueio Mecânico para eliminação de criadouros/larvas e Bloqueio de Nebulização para eliminação de mosquitos Aedes adultos.

De acordo com o Secretário Municipal de Saúde, André Mello essa é uma ação conjunta da Secretaria de Saúde, Secretária de Estado da Saúde pelos órgãos SUCEN, GVE – Grupo de Vigilância Epidemiológica de Assis e GVS – Grupo de Vigilância Sanitária de Marília. “Esta ação conjunta revela sobretudo que a Prefeitura de Ourinhos não tem medido esforços nessa guerra preocupada em evitar danos maiores ante esta calamitosa situação epidêmica que vive o País”, destacou.

O Secretário ressalta também que a colaboração da população é essencial para o combate a proliferação do mosquito transmissor das doenças. “Essa conjugação de esforços de nada adiantará se não contarmos com a adesão da população, uma vez ser certo que a melhor forma de eliminarmos os criadouros do mosquito aedes aegypti é com a vigilância contínua em nossas casas e empresas”, alerta.

A Vigilância Epidemiológica ressalta que as larvas não são atingidas pelo inseticida e precisam ser eliminadas, assim como objetos que acumulam água. Os moradores devem continuar zelando para não ter criadouros nas suas residências.

Próxima
« Prev Post
Anterior
Next Post »