PM Ambiental realiza Operação Madeireira e constata diversas irregularidades em madeireiras nos municípios de Garça, Tupã e Cândido Mota


Nesta terça-feira, dia 12 de janeiro, durante desencadeamento da Operação Madeireira, policiais militares do 2o Batalhão de Polícia Ambiental, pertencentes a 4a Companhia de Polícia Militar Ambiental de Marília (SP), realizaram fiscalização em três pátios madeireiros, um no município de Garça, um no município de Tupã e outro no município de Cândido Mota, sendo lavrados cinco autos de infração ambiental, totalizando R$ 12.543,21 em multas aplicadas e 7,0173 m3 de madeira nativa apreendida.

Na fiscalização efetuada em uma empresa do município de Garça, os policiais militares ambientais constataram que o pátio encontrava-se desorganizado, não havia identificação em todos os lotes de madeira, dificultando assim o trabalho de mensuração. A empresa foi advertida à organização e adequação do pátio para futura fiscalização. O responsável pela empresa poderá responder pelo crime ambiental previsto no artigo 69 da Lei Federal 9605/98, cuja pena corresponde respectivamente à detenção de um a três anos e multa.

Na fiscalização efetuada em uma empresa do município de Tupã, os policiais militares ambientais verificaram o depósito irregular de 5,4594m3 e a venda de 10.8498m3 de madeira nativa em desacordo com o constante no Documento de Origem Florestal (DOF). A empresa foi notificada com dois autos de infração ambiental no valor total de R$ 4.892,46, sendo apreendidas as madeiras nativas depositadas irregularmente. O responsável pela empresa poderá responder pelo crime ambiental previsto no artigo 46, parágrafo único, da Lei Federal 9605/98, cuja pena corresponde à detenção de seis meses a um ano e multa.

No município de Cândido Mota, os policiais militares ambientais verificaram o depósito irregular de 1,5579m3 e a venda de 25,5025m3de madeira nativa em desacordo com o constante no Documento de Origem Florestal (DOF). Diante do constatado, o responsável pela empresa foi notificado com dois autos de infração ambiental no valor total de R$ 7.650,75, sendo apreendidas as madeiras nativas depositadas irregularmente. O responsável pela empresa poderá responder pelo crime ambiental previsto no artigo 46, parágrafo único, da Lei Federal 9605/98, que prevê pena de detenção de seis meses a um ano e multa e apreensão das madeiras irregulares.

A Polícia Militar Ambiental orienta que as denúncias sejam feitas através dos telefones 0800-0555-190, 181 (Disque Denúncia), EMERGÊNCIA 190, ou ainda diretamente às unidades da Polícia Militar Ambiental pelos telefones: (14) 3433.7199 – Marília; (14) 3496.5884 – Tupã; (18) 3323.5111 – Assis; (14) 3322.3077 – Ourinhos.


Próxima
« Prev Post
Anterior
Next Post »